21 de out de 2016

POLICIAIS LEGISLATIVOS RASTREARAM ESCUTAS PARA SARNEY, GLEISI, COLLOR E LOBÃO

POLICIAIS PRESOS RASTREARAM RESIDÊNCIAS DE GLEISI, LOBÃO E COLLOR
SENADOR SÁ ONLINE
Os policiais legislativos presos nesta sexta-feira, 21, alvos da Operação Métis, no âmbito da Lava Jato, teriam beneficiado os senadores Fernando Collor (PTB), Edison Lobão (PMDB), Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o ex-presidente José Sarney por rastreio e retirada de escutas telefônicas de imóveis particulares e funcionais. Todos são investigados na Lava Jato.
A informação, que deu origem à Operação Métis, partiu de um policial que fez acordo de delação premiada. O agente afirmou a investigadores que, em quatro ocasiões, equipamentos do Senado foram usados para rastrear escutas.
Segundo o delator, o objetivo era fazer a chamada contrainteligência: localizar e destruir eventuais sistemas de escuta telefônica e ambiental.
Entre os presos está o chefe da polícia legislativa, Pedro Ricardo Araújo Carvalho. Segundo a PF, o diretor da Polícia do Senado ‘ordenou a prática de atos de intimidação à Polícia Federal, no cumprimento de mandado expedido pelo Supremo Tribunal Federal em apartamento funcional de Senador’. Os outros três presos são Geraldo Cesar de Deus Oliveira, Everton Taborda e Antonio Tavares.
Os investigados responderão por associação criminosa armada, corrupção privilegiada e embaraço à investigação de infração penal que envolva organização criminosa (art. 2º, §1º, da Lei 12.850/2013). Somadas, as penas podem chegar a 14 anos e seis meses de prisão, além de multa.
           (Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )
Postar um comentário