20 de nov de 2017

Balanço Parcial: Violência No Ceará Deixa 46 Mortos Durante o Fim De Semana


O fim de semana foi marcado por mais violência no Ceará. Entre sexta-feira passada (17) e o começo da madrugada desta segunda-feira (20), ao menos, 42 pessoas foram assassinadas e outras cinco morreram em conseqüência de acidentes de trânsito, totalizando 46 mortos. Os números ainda parciais e tendem a crescer nas próximas horas com registros ainda não computados pelas autoridades da Segurança Pública.
Em Fortaleza, 11 pessoas foram mortas em 72 horas. Os crimes ocorreram nos seguintes bairros: Mucuripe, Lagamar, Jangurussu, Dom Lustosa, Serviluz, Aracapé, Barra do Ceará, Parque Dois irmãos, Messejana e Conjunto Tancredo Neves (duplo assassinato).
Na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), foram mais 12 crimes de morte nos seguintes municípios: Caucaia (6 mortes), Aquiraz, Horizonte, Maranguape, Itaitinga (na penitenciária CPPL 2), Pindoretama  e Eusébio.
No Sertão
No Interior Norte, a Polícia fez o registro de, ao menos, 11 assassinatos nos seguintes Municípios: Nova Russas (duplo homicídio), Guaraciaba do Norte (duplo homicídio), Santa Quitéria, Trairi, Monsenhor Tabosa, Mulungu, Tianguá, Itarema e Ubajara.
No Interior Sul, foram mais sete homicídios, em Quixeramobim (2), Morada Nova (2), Tabuleiro do Norte, Iguatu e São João do Jaguaribe.
Acidentes
Cinco pessoas morreram em conseqüência de acidentes de trânsito no fim de semana. Os mortos foram identificados como: Francisco Batista Júnior (queda de moto no Município de Mucambo), Pedro Capistrano dos Santos, 44 anos (morto em queda de moto, em Camocim), Gilberto de Castro Pereira, 29 anos (vítima de uma colisão moto x caminhão, na BR-020, em Tauá), Paulo João de Sousa, 55 anos (colisão de moto com carreta no Km 540 da BR-116, em Penaforte) e Paulo César Martins, 22 anos  (vítima de queda de moto no bairro Granjeiro, na cidade do Crato, morreu no Hospital São Camilo, no Crato).
Duplos
Quatro duplos homicídios forram registrados no fim de semana. Veja os casos:
11 – (18/11) – Dois irmãos, identificados apenas pelos nomes de Sirlan e Mário, foram mortos, a tiros, no bairro Nova Cigana, em Caucaia, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), na noite de sábado.
2 – (18/11) – Dois homens, identificados como Francisco Ismael Gomes Ribeiro, 30 anos; e Luiz Gonzaga Ribeiro Rodrigues, 41, foram assassinados, a tiros, no Distrito de Martinslândia, na zona rural do Município de Guaraciaba do Norte (a 315Km de Fortaleza), na noite de sábado (18).
3 – (19/11) – Na madrugada de domingo (19), dois homens foram executados a tiros quando se divertiam no Parque de Vaquejadas Padre Cícero, na zona rural do Município de Nova Russas (a 299Km de Fortaleza). As vítimas foram identificadas como Bruno Pires do Nascimento, 19 anos; e Herlandim Sampaio de Carvalho, 26 anos. Um suspeito já está preso.
4 – (19/11) – Na noite de domingo (19(, um tiroteio deixou dois mortos e três feridos na Rua Zaire, na Favela do Colorau, no bairro Tancredo Neves, em Fortaleza. Um dos mortos era um adolescente de apenas 14 anos de idade, identificado como Daniel Nascimento Fonseca. O segundo não portava documentos e o corpo foi removido à sede da Perícia Forense do Ceará (Pefoce)  como indigente. 
http://www.blogdofernandoribeiro.com.br
(Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )

Reforma Da Previdência Acaba Com Privilégios

O governo do Brasil propôs a reforma da Previdência Social para garantir a aposentadoria a todos os brasileiros. Confira as novas regras de idade e tempo de contribuição propostas

Michel Temer


DILMA 


LULA 


Reforma da Previdência: mais comum do que você pode pensar...

(Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )

Ministério Negocia Lucro Do Farmácia Popular Para Economizar Recursos

Em média, os valores pagos pelo Ministério da Saúde pelos produtos de asma, hipertensão e diabetes estão 30% acima dos praticados pelo mercado.


Para ampliar o acesso aos medicamentos do Farmácia Popular, o Ministério da Saúde tem negociado com a indústria farmacêutica e o setor de drogarias o lucro dos remédios. Em média, os valores pagos pela pasta pelos produtos de asma, hipertensão e diabetes no Farmácia Popular estão 30% acima dos praticados pelo mercado.
A proposta é que os parceiros sejam sensibilizados para diminuir essa diferença de custo, ou seja, aplicar os valores de mercado somados a uma margem de lucro de 40%. A insulina NPH, por exemplo, com a transferência de tecnologia, os impostos e a logística, sai por R$ 10. No programa, o desembolso é de R$ 27,50.
Os preços utilizados hoje na venda de produtos do Farmácia Popular para o Ministério da Saúde obedecem às regras da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cmed). A entidade estabelece um valor teto para a venda, mas os laboratórios e drogarias podem praticar preços menores para o consumidor.
Economia
Com base em levantamento, observou-se que quando os valores forem adequados, serão economizados R$ 750 milhões. Assim, o custo do programa passaria de R$ 2,6 bilhões para R$ 1,85 bilhão, atendendo ao mesmo número de brasileiros. Os recursos obtidos serão utilizados para ampliar o acesso a medicamentos e a serviços da rede pública.
Oferta
De acordo com o ministério, a oferta dos medicamentos está mantida no programa e o objetivo da negociação é dar maior eficiência à utilização dos recursos públicos, garantindo que não haja ônus para o SUS, além de buscar ampliar a oferta de produtos e serviços da rede de saúde.
O programa Farmácia Popular atrai 10 milhões de consumidores para dentro dos estabelecimentos comerciais.
(Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )

Brasil Atinge Melhor Resultado Em Três Anos e Gera Mais De 76 Mil Vagas De Trabalho

Com o desempenho revelado pelo Caged de outubro, País acumula 303,2 mil vagas criadas em 2017 e quebra ciclo de recessão e demissões.


Como resultado da melhora da economia após uma série de medidas apresentadas pelo Governo do Brasil, o País registrou em outubro o melhor saldo positivo na geração de vagas formais de emprego. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados nesta segunda-feira (20) mostram que 76.599 postos de trabalho foram criados no período.
No acumulado do ano, 303,2 mil brasileiros conseguiram uma vaga formal de trabalho. Em igual período do ano passado, o cenário era outro. Em dez meses de 2016, mais de 730 mil pessoas haviam sido demitidas – um número que era ainda um reflexo de políticas adotadas em governos anteriores e que levaram a perda de muitos postos. Entre janeiro e outubro de 2015, o quadro também era negativo para o trabalhador, com mais de 786 mil postos perdidos.
Esse cenário, como mostram os números atuais do Caged, mudou. Depois de ações do governo para facilitar o acesso ao crédito, reduzir os juros, derrubar a inflação e reorganizar a forma de fazer negócios no Brasil, o País pode voltar a gerar emprego e renda. Apenas em outubro, três grandes ramos do setor produtivo avançaram no número de contratações.
Áreas e locais
Apenas o comércio criou 37,3 mil novos empregos, a maioria deles no comércio varejista. O atacado também apresentou bom desempenho, com 7,1 mil vagas. A indústria de transformação figurou em segundo lugar no mês, com 33,2 mil postos. De 12 ramos observados, 11 registraram crescimento do emprego. O setor de serviços também apresentou desemprenho positivo, com 15,9 mil vagas no mês.
Os dados mostram ainda que apenas cinco unidades da federação não registraram desempenho positivo. Por região o quadro também mostra uma recuperação disseminada do emprego. A região Norte criou 4,2 mil vagas em outubro; a Nordeste, 37,8 mil; a Sudeste, 13,5 mil; a Sul, 21,4 mil. O Centro-Oeste foi a única região onde houve retração, queda de 1,6 mil.
(Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )

Eucaristia Por Dom Estêvão Bettencourt



I – Introdução
A Eucaristia é “Fonte de toda a vida cristã” A palavra Eucaristia vem do grego Eucharistein que quer dizer “Dar Graças a Deus”, c.f. Lc 22,19: “E tomou um pão, deu graças, partiu e distribuiu-o a eles, dizendo: ‘Isto é o meu corpo…”. Este texto lembra as bênçãos judaicas que proclamam, sobretudo durante a refeição, as obras de Deus: a Criação, a Redenção e a Santificação.
É o sacrifício e Sacramento da nova lei, instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, no qual sob as espécies de “pão e vinho”, está presente e vivo, e o fruto é recebido. Enquanto Sacrifício a Eucaristia é chamada “Missa”, enquanto Sacramento é chamada “Sagrada Comunhão” ou “Santíssimo Sacramento”. A Eucaristia, quer como Sacrifício quer como Sacramento, é o centro de toda a vida e de todo o culto cristão, porque leva o homem a Deus e traz Deus ao homem.
II – Anúncios da Páscoa
A Ceia Pascal no Antigo Testamento
No Antigo Testamento, a Ceia Pascal era um memorial que pelos gestos e alimentos (Cordeiro Pascal, Pão sem fermento ou pães ázimos e Ervas amargas) lembrava a libertação milagrosa do povo de Israel da escravidão do Egito e sua partida para a Terra Prometida. Em Ex 12,5-6 lê-se: “O cordeiro será macho, sem defeito e de um ano. Vós o escolhereis entre os cordeiros ou entre os cabritos, e o guardareis até o décimo quarto dia desse mês; e toda a assembléia da comunidade de Israel o imolará ao crepúsculo”. (c.f. Lv 23, 4-14; Nm 28, 16-25). Comentário: “A Páscoa Judaica preparava assim a Páscoa Cristã: Cristo, Cordeiro de Deus, é imolado (cruz) e comido (ceia) no quadro da Páscoa Judaica (Semana Santa). Ele traz a salvação ao mundo, e a renovação mística deste ato de redenção torna-se o centro da Liturgia Cristã que se organiza tendo por centro a Missa, Sacrifício e Redenção” (c.f. nota ‘q’ – bíblia de Jerusalém, pág. 121).
III – A Eucaristia na Igreja hoje (enquanto Sacrifício)
O Sacrifício foi instituído por Cristo para que, segundo suas palavras, fosse perpetuado pelos séculos, até a sua volta (c.f. I Cor 11, 23-26). “Os sacerdotes reapresentam e aplicam no sacrifício da Missa, o Sacrifício de Cristo, que como hóstia imaculada se ofereceu ao Pai.” (c.f. Lumen Gentium).
É necessário portanto que estejamos puros de alma para que, como visto acima, sirvamos ao Deus Vivo e festejemos a festa da vida eterna. Para finalizar este tópico, atentemos a Eucaristia como celebração. É impressionante que todas as orações se dirijam não a Cristo mas, através dele, ao Pai. Se tivermos que destacar um ponto culminante na Celebração enquanto tal, sem dúvida esse ponto seria na Doxologia: “Por cristo, Com Cristo e em Cristo”. E a história humana poderá encerrar-se quando o cristo da páscoa houver reunido em si todos os homens. “Deus será tudo em todos”.(c.f. I Cor 15, 28).
IV – A Eucaristia na Igreja hoje (enquanto Sacramento)
O que a Igreja vive ao nível da sua compreensão do mistério, ela o atualiza em sua vida litúrgica e sacramental, particularmente na Celebração da Eucaristia. Esta celebração está no centro da vida da Igreja, e não é um momento isolado de sua existência, mas é tudo na vida da Igreja e da qual procede toda a força do anúncio evangélico. Vejamos em Jo 3, 16: “Pois deus amou tanto o mundo , que entregou o seu Filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça mas tenha a vida eterna”.
Comentário: a Igreja em nome de toda a humanidade, rende graças ao Pai, por seu incrível amor. Deus respondeu ao egoísmo dos homens com a caridade do dom de seu Filho, e enviou-lhe cheio dos dons do espírito. A Igreja sabe disso e dá graças.
Graças ao Concílio Vaticano II. nós nos demos conta, com vigor renovado, desta verdade: assim como a igreja “faz a Eucaristia, a Eucaristia constrói a Igreja”. A Igreja foi fundada como comunidade nova do povo de Deus, na comunidade apostólica daqueles doze que durante a “Última Ceia”, se tornaram participantes do Corpo e do Sangue do Senhor “sob as espécies do pão e do vinho”. Vejamos em 1 Cor 11, 23-26: “Com efeito, eu mesmo recebi do Senhor o que vos transmiti: na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão e, depois de dar graças, partiu-o e disse: ‘Isto é o meu Corpo que é para vós; fazei isto em memória de mim’. Do mesmo modo, após a Ceia, também tomou o cálice, dizendo: ‘Este cálice é a Nova Aliança em meu Sangue; todas as vezes que dele beberdes, fazei-o em memória de mim’. Todas as vezes, pois, que comeis deste pão e bebeis desse cálice, anunciais a morte do Senhor até que ele venha.”
Comentário: Os Doze, cumprindo sua ordem, entram pela primeira vez em comunhão Sacramental com o filho de Deus, que é penhor de vida eterna. E a partir daquele momento, até o fim dos séculos, a Igreja se constrói, mediante a mesma comunhão com o “Filho de Deus” que é penhor da Páscoa Eterna. (c.f. Mt 26, 26-29; Mc 14, 22-24; Lc 22, 19-20).
Para finalizar esta quinta parte do nosso estudo, vejamos a principal mensagem que a Igreja passa para os seus fiéis em relação à seriedade deste Sacramento: “Eis porque todo aquele que comer do pão e beber do cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor. Por conseguinte, que cada um examine a si mesmo antes de comer desse pão e beber deste cálice, pois aquele que come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe a própria condenação”. (1 Cor 11, 29). Vejamos também em Jo 6, 53-56: “Então Jesus lhes respondeu: ‘Em verdade, em verdade, vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna. e Eu o ressuscitarei no último dia. Pois a minha carne é verdadeiramente uma comida e o meu sangue é verdadeiramente uma bebida. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em Mim, e Eu nele.”
Comentário:
A intenção da Igreja não é fazer com que os cristãos tenham receio de comungar, mas que cada um compreenda melhor que a comunhão obriga a imitar aquele que morreu perdoando, e a interiorizar plenamente uma conversão Pascal e Batismal. Aquele que recebe o pão aceita tornar-se ele mesmo pão, entendendo assim que deve doar-se aos irmãos como Cristo se doou para nós.
V – Presença real de Jesus na Eucaristia
Vimos anteriormente, o quanto Cristo é claro no que se refere a importância de seu corpo e sangue. Para crermos na presença real de Jesus na Eucaristia, vejamos algumas questões importantes:
1 – Os Evangelhos foram escritos na língua Grega, de alta cultura, na qual existem muitas expressões para os verbos simbolizar, significar (=em grego “Semanei”), representar, lembrar, etc. no entanto, os três evangelistas (Mt 26, 26-28; Mc 14, 22-24; Lc 22, 19-20) e São Paulo (1 Cor 11,23-26) no descreverem a última Ceia de Jesus, usam exclusivamente a forma grega “Esti”, que somente significa “É”. Desta maneira transmitiram-nos, unanimemente a interpretação autêntica das palavras de Jesus: ” Isto é o meu corpo…; este é o cálice do meu sangue…”.
2 – Na língua de Jesus, o aramaico, também escreveu-se, isto é o meu corpo e não, isto representa (simboliza, relembra) o meu corpo.
3 – Se não houvesse a presença real de Jesus na Eucaristia, São Paulo não escreveria em 1 Cor 11, 27-29: “Eis porque todo aquele que comer do pão ou beber do cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e sangue do Senhor. Por conseguinte, que cada um examine a si mesmo antes de comer desse pão e beber desse cálice, pois aquele que come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe a própria condenação”.
4 – O evangelista São João em seu evangelho no capítulo 6, versículo 22 ao 71, nos fala do discurso de Jesus aos judeus e aos seus discípulos ( que eram centenas deles) na Sinagoga de Cafarnaum. Nesta Sinagoga Jesus diz com palavras claras e compreensíveis a todos: “Eu sou o Pão da vida”, “Eu desci do céu”, “Quem comer deste pão viverá eternamente”, “O Pão que eu darei é a minha carne para a vida do mundo; se não comerdes a carne do filho do homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna”.
Os judeus e os seus discípulos entenderam, perfeitamente, que Jesus dissera comer a sua carne e beber o seu sangue, como diz o versículo 52: “os Judeus discutiam entre si dizendo: ’Como esse homem pode dar-nos a sua carne a comer ? ‘. Ora se Jesus tivesse falado algo que tivesse sido interpretado erroneamente, ele esclareceria o verdadeiro sentido das suas palavras, pois ele é o caminho, a verdade e a vida.
Mas não esclareceu. Diz o versículo 60: “Muitos de seus discípulos, ouvindo-o disseram: ‘Essa palavra é dura! quem pode escutá-la ? ‘ ; e Jesus fala no versículo 61: “… Isto vos escandaliza?”. Porém como nos narra no versículo 66: “A partir daí, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele”. Parece até que os versículos 64 e 65 foram escritos para aqueles que negam a presença real de Jesus na Eucaristia, quando Jesus disse: “Alguns de vós , porém não crêem” .
Jesus sabia , com efeito , desde o princípio , quais os que não criam e dizia : “Por isso vos afirmei que ninguém pode vir a Mim , se isso não lhe for concedido pelo Pai”.
Importante: A clareza e a insistência destas palavras, exigem que sejam entendidas em seu pleno realismo. No versículo 52 é usado o verbo grego “Phagein” (comer), já no versículo 54 [“Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia”], o verbo usado é “Trogo” (dilacerar, mastigar).
Assim compreendemos que Jesus não desfaz nenhum mal entendido, porque simplesmente não há mal entendido! A respeito desta questão, o humorista , crítico irônico, Erasmo de Rotterdam, que escrevia sobre as reformas Eucarísticas de Lutero e Zwínglio (fundadores do Protestantismo) disse em torno de 1529 o seguinte texto: “Jamais me pude persuadir de que Jesus, a verdade e a bondade mesmas, tenha permitido que por tantos séculos a sua Esposa, a Igreja, tenha prestado adoração a um pedaço de pão em lugar de adorar a Jesus mesmo.”. Há alguns casos de milagres Eucarísticos que parecem ter por finalidade pôr em evidência o realismo e a eficácia da presença de Cristo sob os sinais do pão e do vinho, é o que chamamos de milagre da Transubstanciação – muda-se a matéria sem mudar os acidentes. Podemos citar 130 milagres, dentre os quais os dois mais famosos são os de Lanciano e Turim.
VI – Os Milagres Eucarísticos
Uma antiga tradição, que vai desde a origem do Cristianismo até os nossos dias, atesta a existência de milagres Eucarísticos. De modo geral, revelam a presença de Cristo no Sacramento e manifestam a natureza e os efeitos da mesma. Há tempos, foi traçado um “Mapa Eucarístico”, que registra o local e a data de mais de 130 milagres, metade dos quais ocorridos na Itália.
Escolhemos dentre estes dois milagres verificados entre 700 e 1700. Selecionamo-los dentre os mais bem documentados e os mais eloqüentes, visto que não há para todos, como se compreende, um abono de provas históricas e científicas igualmente rigoroso e persuasivo.
1– em Turim – em 1453, houve a queda do Império Romano do Oriente. Renato (Duque de Anjou e de Lorena – Itália) foi vencido em batalha muito sangrenta após a qual os Piemonteses saquearam todas as residências da cidade; ao chegarem a Igreja, forçaram o Tabernáculo. Tiraram o ostensório de prata, no qual se guardava o corpo de cristo ocultando-no dentro de uma carruagem juntamente com os outros objetos roubados, e dirigiram-se para Turim. Crônicas antigas relatam que, na altura da Igreja de São Silvestre, o cavalo parou bruscamente a carruagem – o que ocasionou a queda, por terra, do ostensório – dizem que então o ostensório se levantou nos ares “com grande esplendor e com raios que pareciam os do sol”.
Os espectadores chamaram o Bispo da cidade, Ludovico Romagnano, que foi prontamente ao local do prodígio. Quando chegou, “O ostensório caiu por terra, ficando o corpo de Cristo nos ares a emitir raios refulgentes”. O Bispo, diante dos fatos, pediu que lhe levassem um cálice. Dentro do cálice, desceu a hóstia, que foi levada para a catedral com grande solenidade. Era o dia 9 de junho de 1453. Existem testemunhos contemporâneos do acontecimento (Atti Capitolari de 1454 a 1456). No século seguinte, a Câmara Municipal mandou construir uma Capela ou Oratório sobre o lugar do milagre. O oratório foi destruído para ceder à construção da Igreja de “Corpus Domini” (1609), que até hoje atesta o prodígio.
2 – Em Lanciano – Estamos em data não claramente definida do séc. VIII. Um monge da ordem de São Basílio estava celebrando na Igreja dos santos Degonciano e Domiciano. Terminada a Consagração, que ele realizara provavelmente em estado de dúvidas interiores, senão de incredulidade, a hóstia transformou-se em carne e o vinho em sangue depositado dentro do cálice. Ao ver isto, o monge, perturbado e atônito, procurou ocultar o fato; mas depois, reagindo à emoção, manifestou-o aos fiéis, que, feitos testemunhas do milagre, espalharam a notícia pela cidade. – O exame das relíquias, segundo critérios rigorosamente científicos, ocorrido pela última vez em 1970, levou aos seguintes resultados muito significativos:
A) A hóstia, que a tradição diz ter-se transformado em carne, é realmente constituída por fibras musculares estriadas, pertencentes ao miocárdio. Acrescente-se que a massa sutil de carne humana que foi retirada dos bordos, deixando amplo vazio no centro é totalmente homogênea. Com outras palavras: não apresenta lesões, como os apresentaria se se tratasse de um pedaço de carne cortada com uma lâmina.
B) Quanto ao sangue, trata-se de genuíno sangue humano. Mais: o grupo sangüíneo ‘A’ que pertencem os vestígios de sangue, o sangue contido na carne e o sangue do cálice revelam tratar-se sempre do mesmo sangue grupo ‘AB’ (sangue comum aos Judeus). Este é também o grupo que o professor Pierluigi Baima Bollone, da universidade de Turim, identificou na Sagrada Mortalha (Santo Sudário).
C) Apesar da sua antigüidade, a carne e o sangue se apresentam com uma estrutura de base intacta e sem sinais de alterações substanciais; este fenômeno se dá sem que tenham sido utilizadas substâncias ou outros fatores aptos a conservar a matéria humana, mas, ao contrário, apesar da ação dos mais variados agentes físicos, atmosféricos, ambientais e biológicos. A linguagem das relíquias de Lanciano é clara e fascinante: verdadeira carne e verdadeiro sangue humano, na sua inalterada composição que desafia os tempos; trata-se mesmo da carne do coração, daquele coração do qual, conforme a fé, jorrou o sangue que dá a vida.
VII – Conclusão
A Eucaristia é a maneira que Jesus escolheu para permanecer conosco e nos alimentar de sua própria vida. Deus quer que todos os homens tenham alimento para o sustento do corpo e busquem a Eucaristia para alimento espiritual. Alimento este para reforçar a vida daquele que participa deste banquete, a fim de poder realizar em nós, aqui na terra, as boas obras e um testemunho vivo da presença de nosso Senhor Jesus Cristo na Santa Eucaristia.
Dom Estêvão Bettencourt.
(Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )

Apocalipse, Da RecordTV Quer Alertar o Mundo Sobre Volta De Jesus

“Prepare-se para o início do fim”, diz a chamada que anuncia a estreia de “Apocalipse”, a nova novela da Record TV. A trama que estreia nesta terça (21) às 20h30 irá misturar relatos bíblicos e ficção para alertar o mundo, entre outras coisas, sobre volta de Jesus.
Recheada de efeitos especiais, fazendo um paralelo com a revelação de João no primeiro século e os dias atuais, o folhetim deverá gerar debates. Mas esse é um dos seus objetivos declarados. “Vamos trazer polêmica. Já vivemos os sinais do apocalipse hoje e é incrível ver que isso foi previsto há mais de dois mil anos”, destaca a autora Vivian de Oliveira, que fez sucesso quando escreveu “Os Dez Mandamentos” (2015).
A história contada pela novela se passa em quatro países: Brasil, Itália, Estados Unidos e Israel. A autora explica a opção: “Quis mostrar que o apocalipse vai acontecer em todo o mundo. Roma é mais ligada às tradições; Israel é muito retratada na Bíblia, o Oriente Médio tem vários conflitos. Nova York vem pelo fato de ser centro financeiro pulsante, além, claro, do nosso Rio”.
Programada para ter 170 capítulos, promete oferecer efeitos especiais inéditos em produções brasileiras. Ela será contada em três fases. No centro, as histórias de Zoe (Juliana Knust), Benjamin (Igor Rickli) e Ricardo (Sergio Marone). Enquanto os dois primeiros são os “mocinhos” e viverão um romance, Marone será o vilão: o Anticristo.
Confira o trailer do primeiro episódio da novela Apocalipse:

FAMÍLIA SANTERO

ZOE SANTERO (GABRIELA SARAIVAH / JULIANA KNUST) Neta de Teresa, filha de Oswaldo e Letícia, meia irmã de Tiago. Repórter com carreira em ascensão, casa com Benjamin, com quem terá o filho Davi. Mesmo tendo conhecido o caminho da fé desde pequena, se acomodará a ele na vida adulta, o que lhe trará dor e sofrimento. Quando sua família for arrebatada, ela entrará em crise. Será nossa grande heroína e irá liderar, ao lado do amado Benjamin, os Santos da Resistência, que lutarão contra as forças malignas do Anticristo.
TERESA SANTERO (JOANA FOMM) Mãe de Oswaldo, Felipe e Raquel. Avó de Zoe, Eduardo, Tiago, Guto e Lorena. Criou os filhos sozinha pois ficou viúva quando eles ainda eram crianças. Já passou por todo tipo de dificuldade financeira e sofreu com a prisão do primogênito. Sente muita falta de Felipe – que mora fora do Brasil e terá orgulho da trajetória de Oswaldo. Vende quentinhas e depois passa a trabalhar como doméstica na casa de Lia Aisen. Enfrenta com dignidade e fé um grave problema de saúde.
OSWALDO SANTERO (GABRIEL REIF / MARCOS WINTER) Filho de Teresa, irmão de Felipe e Raquel. Casado com Letícia. Pai de Zoe e Tiago (de seu relacionamento com Sandra). Oswaldo foi uma dolescente revoltado e problemático. Começou a ler a Bíblia na prisão e se converteu. Abandonou os vícios, a bandidagem na carceragem, e tornou-se um exemplo de bom comportamento. Ao sair da prisão só quer reencontrar o filho. Sua transformação impactará a vida da mãe e da irmã Raquel, que também se convertem. Firme em sua fé, Oswaldo resiste ao dinheiro fácil e consegue trabalho como motorista da família Aisen. Oswaldo simboliza a igreja salva que será levada para junto de Deus no arrebatamento.
LETÍCIA SANTERO (JULIANA XAVIER / LUIZA TOMÉ) Vai se casar com Oswaldo e será mãe de Zoe. Trabalha como recepcionista no hospital da família Aisen e depois passa a ser a gerente hospitalar. Realiza trabalho voluntário com moradores de rua e seu amor e fé ajudam a salvar o enteado Tiago. Cristã, frequenta a igreja com Oswaldo e, mesmo orgulhosa da família que construiu, se preocupa com a falta de compromisso que Zoe tem com sua fé.
FELIPE SANTERO (MIGUEL RONCATO / JANDIR FERRARI) Filho de Teresa, irmão de Oswaldo e Raquel. Primo de Zoe e Tiago.  Felipe nunca superou a morte do pai, que ocorreu na sua infância. Quando Oswaldo, a quem considerava um ídolo, é preso, se sente abandonado, traído. É o único que se mostra cético com a recuperação do irmão. Embarca para Nova York, Estados Unidos, e permanece por lá de maneira ilegal. Conhece Sabrina, por quem se apaixona e se casa. Os dois têm um filho, André. Quase é pego pela polícia de imigração algumas vezes. Na última vez, foge apavorado, sofre um acidente, fica em coma e é repatriado junto com mulher e filho. Ao sair do coma ele encontrará o mundo de outra forma.
SABRINA SANTERO (LAURA KUCZYNSK / FLÁVIA MONTEIRO) Assim como Felipe, Sabrina também foi tentar a vida nos EUA. Alegre, esperta e cheia de vida, vive de bicos em NY, entre eles o de babysitter de Benjamin. Sem ter um lugar fixo para morar, conhece Felipe e os dois passam a dividir um quarto e sala. Os dois começam a namorar e ela logo engravida de André. Fica devastada com o coma do marido e busca forças para seguir em frente quando é repatriada junto com André, que é americano. Firme e incansável, sabe que um dia o marido voltará a si. Sofre ao ver a mudança de André, que volta para os Estados Unidos e passa a ter uma relação cada vez mais fria com ela.
ANDRÉ SANTERO (KADU SCHON / SIDNEY SAMPAIO) André nasceu nos EUA e conviveu pouco com o pai que entrou em coma quando ele ainda era pequeno. Fera em tecnologia, consegue uma bolsa em uma faculdade de Nova York. Conhece Benjamin Gudman e passam a desenvolver projetos e startups juntos. Raramente vai ao Brasil e, aos poucos, se desliga da família.  É dissimulado, falso, disfarça muito bem sua inveja. Ficará muito mexido quando reencontrar o pai que fará de tudo para conquistar seu amor e mostrar que ele também é muito amado.
RAQUEL SANTERO (MELISSA NÓBREGA / JULIANA SILVEIRA)Filha de Teresa, irmã de Oswaldo e Felipe, tia de Zoe. Vai se casar com o policial César Sardes e será mãe de Guto e Lorena. Raquel congrega na igreja de Jonas. Depois de muita batalha e estudo, tornou-se enfermeira chefe do hospital da família de Susana.  Na igreja e na frente de todos, o marido é um santo, mas em casa a trata mal. Raquel leva um choque ao saber de suas traições.

FAMÍLIA MONTANA

RICARDO MONTANA (LUIZ EDUARDO TOLEDO / SERGIO MARONE) Filho de Adriano e Débora, neto de Giancarlo e Verônica, ele é o Anticristo. É criado como uma criança arrogante, mimada e sedutora sobretudo pela mãe que o protege e desautoriza o pai. Bonito, atraente e charmoso, é vaidoso e faz questão de estar sempre alinhado em elegantes ternos italianos. Vai ter um relacionamento com Isabela, irmã de Benjamin, a quem vai influenciar e corromper. No meio da Tribulação, após ser dado como morto durante uma guerra, Ricardo será “ressuscitado” por Satanás. Esse “milagre” fará com que o mundo se curve a ele, adorando-o como se fosse um deus. Neste momento ele se transformará na Besta, dominando o mundo não mais através de carisma, mas de tirania e crueldade, exigindo, sob pena de morte, ser adorado como único Senhor.
ADRIANO MONTANA (FELIPE CUNHA / EDUARDO LAGO) Pai de Ricardo, casado com Débora, filho de Giancarlo e Verônica. Bonito charmoso, irresistível, rico, mulherengo e bon vivant. Forçado ase casar, passa a tratar Débora com frieza. Vive um casamento de fachada, deixando claro para Débora que tem suas amantes. Se não fosse pelo filho e pela milionária partilha de bens já teria se separado. Lamenta não conseguir chegar ao coração de Ricardo, pois Débora o joga contra o pai. Vai se envolver com Ariela Feld, amiga de Débora dos tempos da juventude, o que provocará a ira da esposa.

FAMÍLIA GUDMAN

BENJAMIN GUDMAN (PEDRINHO MELO / IGOR RICKLI) Filho de Susana e Alan, irmão de Isabela, neto de Ruben e Lia. Cresceu conhecendo o testemunho de sua mãe – de como Deus o salvou de um afogamento que o deixou entre a vida e a morte. É ateu. Formado em Engenharia de Computação, tem pós-graduação em Ciência da Computação e Robótica. Desde os tempos de estudante, tornou-se um hacktivista – um hacker do bem que invade sistemas para ajudar quem precisa. Por influência de Ricardo, irá fundar a Gudman Technology – empresa que investe na inteligência artificial. Vive uma linda história de amor com Zoe, com quem se casa e tem um filho Davi, que nasce no meio da tribulação.
OZIEL GUDMAN (CASTRINHO) Marido de Marta, pai de Saulo, irmão de Jonathan, tio de Alan e Uri. Judeu ortodoxo, é rigoroso quando se trata de religião. Atua no ramo de joias em Jerusalém. Honesto, trabalhador, rico, mas mão fechada.
ALAN GUDMAN (MAURÍCIO PITANGA / EDUARDO GALVÃO) Marido de Susana, pai de Benjamin e Isabela, irmão de Uri. Apesar de ser judeu, não segue os preceitos religiosos da Torá e nem frequenta sinagogas. Agnóstico, acredita que a religião criou o fim do mundo para apavorar o homem. Ama Susana, mas seu casamento entra em crise quando ela começa sua busca espiritual. Advogado especializado em direito internacional, faz a ponte entre empresários e políticos de várias partes do mundo, estabelecendo acordos comerciais entre eles, nem sempre éticos. Alan representa a apostasia dos últimos tempos, em que muitos perderão a fé.
ISABELA GUDMAN (PALOMA BERNARDI) Irmã caçula de Benjamin, filha de Alan e Susana. Estudante de Arqueologia e irmã amorosa é muito ligada a Benjamin seu sonho é conhecer suas raízes judaicas. É selecionada para integrar a equipe de escavação do professor arqueólogo Rodrigo Queiroz em Israel. Muda para Jerusalém e passa a morar com a parte ortodoxa da família os tios-avôs Oziel e Marta. Se encanta por Noah e passam a namorar. Conhece Ricardo e viverá um tumultuado e conflituoso triângulo amoroso.
URI GUDMAN (PHELIPE GOMES / EMILIO ORCIOLLO NETO) Irmão de Uri, tio de Benjamin. Cientista astrofísico ligado à Agência Espacial. Sofre com a separação de sua esposa Ariela. Mais tarde se encantará por Monique. Para Uri, todos os crentes são ignorantes. Para provar que a fé é uma farsa, vira um caçador de mitos/lendas. Sua tese é que todo milagre não passa de um fato cientificamente alicerçado. Depois que Monique for arrebatada, sua busca por respostas se intensificará. Também se envolverá com Tiatira.

FAMÍLIA KOHEG

TAMAR KOHEG (JUSSARA FREIRE) Mãe de Débora, Hanna e Noah. Judia ortodoxa, simpática, mandona, moralista, manipuladora, gosta que tudo seja feito à sua maneira.
No entanto, toma o cuidado de não revelar sua faceta controladora. Protege e acoberta a filha mais velha, Débora, mas não aprova sua gravidez, mais preocupada com a reputação da família do que qualquer coisa. Engravida de Noah aos 45 anos, sem planejar. Apesar de tudo, é amorosa com os filhos e compra qualquer briga por eles. Lamenta pela filha Hanna, que não consegue gerar um filho biológico. Irá incentivá-la a adotar uma criança não só para vê-la feliz, mas principalmente para calar o falatório na comunidade.
DÉBORA KOHEG (MANUELA DO MONTE / BIA SEIDL) Filha de Gideon e Tamar, irmã de Hanna e Noah. De família judia ortodoxa, Débora sempre sonhou sair de casa e se libertar da religiosidade opressora imposta por sua família em Israel estava prometida para Saulo Gudman.  Convence o pai a deixá-la estudar nos EUA e lá respira sua almejada liberdade. Se encanta por Adriano, que a seduz completamente e ela, iludida, acredita em suas promessas de amor. Engravida e, orgulhosa, rompe com a família depois da atitude extrema do pai, que a expulsa de casa. Infeliz e traída por Adriano na noite de núpcias, jura se vingar do marido. Mima o filho ao extremo e o joga sempre contra o pai ensinando-o a sertão manipulador quanto ela. Não suporta a sogra, com quem sempre viveu às turras.

FAMÍLIA AISEN

LIA AISEN (LUCINHA LINS) Esposa de Ruben, mãe de Susana e Estela. Através de pesquisas e cases médicos, quer comprovar como a fé promove a melhora substancial dos pacientes. Para Lia, a oração e a experiência de “sentir” Deus promovem alterações na fisiologia do cérebro. Apesar dos estudos avançados, Lia, bem como seu marido, acredita em Deus, mas nunca teve um relacionamento real com Ele. Ama música e vive um casamento feliz com Ruben. Enfrenta o Alzheimer precoce com muita coragem – anotando em um diário suas memórias, gostos e hábitos. Apaixonada pelo neto Benjamim, incentiva sempre as invenções do menino.
SUSANA AISEN (CAROLINA OLIVEIRA / MONICA TORRES) Filha de Ruben e Lia, irmã de Estela, esposa de Alan, mãe de Benjamin e Isabela. Cientista biomédica e epidemiologista. A amizade com Alan se transforma em amor. Se casam e nasce Benjamin, um menino. Grávida de Isabela, Susana se desespera quando Benjamin quase morre afogado num passeio de canoa. Transtornada, clama a Deus por sua família. Sua oração é atendida, transformando sua vida. Se entristece ao ver Benjamin se afastar cada dia mais de Deus, tornando-se como o pai na vida adulta.
ESTELA AISEN (RAFAELA SAMPAIO / LISANDRA SOUTO) Filha de Ruben e Lia, irmã de Susana, esposa de Henrique e mãe dos adolescentes Bruno e Talita. Médica, especialista em clínica geral. Competente e workaholic assumida, quase não tem tempo para a família. Não desconfia que está sendo traída e é uma mãe permissiva. Não dá muita atenção aos filhos, que crescem sem orientação. Apesar de ser judia, não segue a religião. É esotérica e adora tudo que é ligado ao ocultismo.
(Acompanhe as publicações do  SENADOR SÁ ONLINE no Facebook. Curta  AQUI )